ASSERTIVIDADE: Respeitando a si mesmo

O que caracteriza um comportamento assertivo? A pessoa assertiva é aquela que diz o que pensa, sente, gosta e não gosta de forma sincera, porém sem ser agressiva. Ao colocar suas opiniões, a pessoa assertiva não ofende e nem desqualifica as opiniões alheias porque entende que as outras pessoas têm tanto direito quando ela própria de ter  ideias e de defende-las. Afinal, o que garante quem está certo e quem está errado? Todos não podem estar igualmente errados? O que é certo e o que é errado? É aquilo em que acreditamos e que está dentro de nossas crenças e de nossos valores. Desde que aquilo que defendemos como verdade não prejudique o outro, todos temos o direito de defender nossas “verdades”.

 

Ouvir o que o outro está dizendo com atenção é uma característica empática. Expressar o que sentimos e acreditamos com sinceridade e sem agressividade, ironia e imposições é uma característica assertiva. A pessoa que é socialmente habilidosa procura agir de maneira justa, equilibrando empatia,  assertividade e solução de problemas,  de modo a encontrar soluções que sejam justas para ambas as partes. Procura negociar para minimizar as perdas para ambos os lados.

 

O assertivo consegue reconhecer seus erros e procura repará-los de forma justa. Não se considera o dono da verdade porque sabe que essa “verdade” não existe, o que existe são visões e opiniões opostas. Se uma pessoa assertiva descobre que se enganou em sua opinião ou visão, ela não tem nenhum problema em declarar isso, se desculpar ou reparar seu erro. Ela é capaz de reconhecer que não sabe tudo, ou melhor, reconhece que não sabe nada,  diante da imensidão de coisas a descobrir e está sempre pronta a aprender e a reparar seus enganos.

 

Conviver com uma pessoa assertiva é agradável porque ela reconhece sua ignorância em muitos aspectos e valoriza aquele que tem o conhecimento da área a qual ela não domina. Por isso ela pode pedir ajuda sem se sentir constrangida, bem como, reconhecer o seu valor e o valor do outro e, sendo assim, não é uma pessoa arrogante e nem prepotente.  Por outro lado, sabe defender seus direitos e o faz, utilizando um tom de voz firme, seguro, mas sem agressividade. Isso não significa que o assertivo nunca perca a linha ou “chute o balde”. No entanto, isso raramente acontece porque antes de chegar a esse extremo, ele já tentou todas as formas possíveis para solucionar o conflito de maneira justa para todos. Porém, relações humanas podem ser complicadas e, muitas vezes, a outra parte não quer manter o respeito mútuo necessário para o entendimento, apesar de todos os esforços do assertivo e ele acaba tendo que tomar uma atitude mais firme. Mas mesmo nesses casos extremos, ele procura ver a situação com justiça e tenta esclarecer os fatos da melhor forma possível.

 

Mesclando características empáticas, a pessoa assertiva se preocupa em ouvir a opinião das outras pessoas. Não impõe suas opiniões nem toma decisões sem considerar as opiniões alheias.  Ao dar feedback, não culpa o outro, não o desqualifica e nem emite juízo de valor. Expõe suas ideias como contribuição à situação e não como imposição, e sempre ouve a outra parte.

 

O assertivo não sente necessidade de desqualificar o outro por medo de que o outro se sobressaia mais do que ele próprio.  Ele reconhece que cada um tem o seu espaço e que cada um conquista o que tem pelo seu próprio valor. A competitividade desonesta não é uma característica do assertivo porque ele sabe do seu valor, de sua capacidade e competência e confia em si mesmo para obter conquistas justas.

 

O assertivo é uma pessoa com quem se pode partilhar, seja a vida, o trabalho, um objetivo ou um ideal, porque ele sempre estará disposto a respeitar cada um e a si mesmo embasado em atitudes justas.

 

Lembrando sempre que o comportamento assertivo é um dos elementos que compõem as Habilidades Sociais e que a aprendizagem dessas habilidades pode facilitar muito as relações humanas em geral.

Graça Oliveira

Psicóloga Clínica

Abordagem Cognitivo-Comportamental