HABILIDADES SOCIAIS: Sua importância na vida das pessoas

Habilidades Sociais é um conjunto de habilidades, que por sua importância para os relacionamentos, deveria ser ensinado nas escolas desde o Maternal. Como a criança está em fase de desenvolvimento e aprendizagem, ter contato com as habilidades sociais na tenra idade permitiria que as pessoas desde cedo começassem a entender e a respeitar tanto a si mesmas quanto aos outros.

Sabemos que cada ser humano é único, pensa e sente de modo diferente, tem suas crenças, seus valores e sua forma de ver e entender o mundo e as coisas. Por isso, o contato precoce com as habilidades sociais, facilitaria às crianças desenvolver o autorrespeito e o respeito ao outro, minimizando a probabilidade de conflitos que resultam em agressões verbais e físicas, cada vez mais constantes e violentas nas escolas e também na vida dos adultos.   

Esse respeito a si mesmo e aos outros é importante por vários motivos: 1) A pessoa que respeita a si mesma, respeita seus sentimentos e seus direitos, tem uma autoestima elevada o suficiente para ser capaz de se defender de injustiças e abusos de outras pessoas de forma adequada; 2) É uma pessoa que respeita os sentimentos e os direitos das outras pessoas, sendo assim, é capaz de conviver socialmente, afetivamente e profissionalmente de forma mais harmoniosa e produtiva com os outros; 3) Essa pessoa por respeitar a si mesma e aos outros está mais predisposta a encontrar soluções mais justas para resolver os problemas que existem em todos os tipos de relacionamentos.

 

O Conflito faz parte da vida

O conflito entre as pessoas é natural e necessário porque é através da discordância de ideias que o mundo avança e o ser humano evolui. Nós podemos discutir pontos de vista diferentes com outra pessoa durante horas e dias e chegar a uma conclusão diferente ou não daquela que tínhamos inicialmente. O mais importante é manter o respeito próprio e o respeito ao outro durante a conversa, tendo em mente que tudo o que pensamos e sentimos tem a ver com a nossa forma de ver o mundo, com a educação que recebemos, com a nossa personalidade. E o que vale para nós vale também para o outro.

Outro aspecto importante é aprender a desenvolver curiosidade sobre o pensamento da outra pessoa, deixando de lado a certeza de que o nosso ponto de vista é o correto e o da outra pessoa é o errado. Esse posicionamento inflexível impede que abramos a nossa mente para entender mais amplamente o que a outra pessoa está pensando e dizendo. Quando deixamos de lado nossas convicções e tentamos ouvir o outro com mente aberta, muitas vezes, nós podemos até mudar o nosso modo de encarar a situação e ampliar o nosso conhecimento. Outras vezes, após ouvir e entender plenamente o que a outra pessoa está pensando e dizendo, nós podemos expor nossas ideias de forma mais clara e objetiva,  de maneira que a pessoa pode até vir a mudar o seu ponto de vista. O mais importante nesse tipo de conversa é ser capaz de manter a segurança própria e da outra pessoa,  porque isso fornece a tranquilidade necessária para que a conversa se processe de forma saudável, madura e produtiva. E para manter a segurança própria e alheia é necessário desenvolver habilidades sociais, cujos componentes são Empatia, Assertividade e Capacidade de Solucionar Problemas.

 

Consequências do Comportamento Socialmente Habilidoso

Existem pelo menos três motivos que fazem com que cada vez mais pessoas busquem desenvolver Habilidades Sociais através de treinamento específico: elas conseguem alcançar os seus objetivos com mais facilidade; elas conseguem manter ou melhorar seus relacionamentos em todos os âmbitos (amoroso, familiar, social e profissional); elas conseguem manter sua autoestima, seu autorrespeito e sua segurança nos mais diversos ambientes e interações.

 

Elementos Básicos das Habilidades Sociais

Para que uma pessoa possa ser considerada socialmente habilidosa é necessário que ela desenvolva três habilidades básicas:

1) Empatia - é a capacidade de ouvir o ponto de vista do outro e seus sentimentos, sem julgar, deixando de lado, por um momento, seus conceitos e valores, na tentativa de compreender o que o outro está dizendo e sentindo. A pessoa empática deve expressar verbalmente sua compreensão, de forma que o outro se sinta verdadeiramente compreendido.

2) Assertividade – é a capacidade de expressar seu próprio ponto de vista, seus desejos e seus sentimentos, suas crenças e seus valores de forma sincera, porém, não agressiva, e ao mesmo tempo, respeitando o ponto de vista, os desejos, os sentimentos, as crenças e os valores da outra pessoa.

 

3) Capacidade de Solucionar Problemas - é a capacidade de, diante de um problema ou conflito, selecionar todas as possíveis soluções e propor aquela que melhor possa atender ao interesse de todos os envolvidos. Isso demanda um equilíbrio entre empatia e assertividade.

 

Algumas pessoas já possuem essas habilidades, como se fosse um talento raro. O mais interessante é que, muitas vezes, a pessoa que é naturalmente habilidosa nunca ouvir falar sobre isso; ela já nasceu assim, com essa capacidade de transitar pelo desconforto das situações conflitantes de forma tranquila, segura e consegue chegar a um consenso na maioria dos seus problemas de interação social. Porém, a maioria de nós, precisa desenvolver essa habilidade através de treinamento específico.

Graça Oliveira

Psicóloga Clínica

Abordagem Cogntivo-Comportamental